Dai aos 87 anos, saúde fragilizada  fomos levá-la fazer exame de sangue, o laboratório é na frente da minha casa, na volta meu sobrinho Jeferson que estava que não mora no Brasil, veio estar com mamãe e nós aproveitamos sua estada, entrou pra ver meu templo 🏡 depois da reforma, e ela a mamãe  foi direto pro vaso retirar as folhinhas amareladas. 

Sempre cuidou das plantas com muito carinho e sempre as fez imprescindíveis em nossa vida. 

Adivinha onde aprendi e herdei o amor pela natureza e a harmonia com as plantas. 

Com ela : minha rainha ancestral, que nesta vida nos reencontramos para podermos nos harmonizar e chegar num ponto sem pendências. 

Muitas ficções em nossa relação, em muitos pontos somos muito semelhantes, em outros opostos.

Mas na essência nos encontramos… Amor 💕 

Ela a mãe a grande eu a filha a pequena.

Hoje eu da minha adulta ainda sendo a filha, no meu lugar… “a pequena” cuido dela a mãe “a grande” respeitando a hierarquia cuido dela fragilizada e idosa mas sempre no respeito da hierarquia e de sua sabedoria, disponível a ela e ao seu tempo.

Agradeço a cada instante na minha vida atual por tudo que experimentamos em acordos e desacordos 

Tudo fez parte da nossa cura.

Reverencio sua presença, sua sabedoria, sua evolução

Nada a declarar à você  

💓MÃE💓além de amor, gratidão e disponibilidade 

Cada dia com você uma oportunidade de expandir, fortalecer e ancorar o amor o receber o aprender a cura e sua sabedoria reverenciar.

Até o seu silêncio adormecido me ensina 

Aprendo a não querer nada de você e receber o que me oferece, assim como vem a mim. 

Reconheço você sempre fez o seu melhor, mesmo assim me senti ferida muitas vezes, e as escolhas que fiz só eu posso me conscientizar e transformar.

Simples como o amor que flui, porque sempre fluiu, eu demorei a compreender e receber, mas sempre fluiu.

E você com sua sabedoria, consciente ou não, esperou eu poder reconhecer e aprender agradecer.

Sem demagogia, nem sempre foi assim, atritamos muito durante esta existência, eu sempre fui muito diferente de você em aspectos muito viscerais, isto te ofendia, e eu me sentia atacada, desrespeitada na essência, ainda sem consciência.

E o poder que queria ter por mim não aceitei, confrontei, mas necessitava sua aceitação a qualquer preço.

Tentei ser o que você queria 

Tentei te convencer que eu como era deveria ser aceita

Tentei impor meu ponto de vista 

Tentei mudar seu ponto de vista

Tentei me convencer 

Tentei te convencer

Gritei disfarçadamente implorei e briguei por aceitação 

Nada deu o resultado esperado 

Em aflição e dor sai instintivamente a me auto conhecer, comecei surfando nas águas intensas e muitas vezes tensas, surfando tomei caldos

Afundei

Aprofundei

Subi, respirei 

Aprofundei de novo 

E aprendi mergulhar e ampliar meu fôlego, a cada mergulho uma consciência adquirida… querida 

Assim começou meu histórico de mergulhadora.

Gosto de boiar, de surfar mas o que me deu base mesmo foi mergulhar 

Mergulhar em mim

Mergulhar em minhas emoções, crenças, desavenças 

E felizmente nunca aceitei quando algo estava inaceitável “é assim mesmo”  

Se não está bom não pode ser assim, tem que ter algo a se fazer …

Fiz, faço e farei 

Garra e determinação sim também aprendi com você mãe, forte e frágil 

Frágil levei tempo a aceitar mas ao compreender a vulnerabilidade aceitá-la e reconhecer o quão mais humana me torno, agradeço 

Assim posso também aceitar sua vulnerabilidade e acolhê-la e isto é uma semente nas minhas relações no mundo.

Aceitar não é ser conivente com a insanidade e sim escolher o que fazer ao intuir um caminho… com carinho.

Relação intensa muitas vezes tensa… no passado 

Hoje da adulta que sou olho  pra este trajeto e me agradeço por tê-la escolhido e por você ter me aceito 

Porque depois de querer muito que me aceitasse como eu estava, e você não atendeu. 

Num pico máximo de dor de não me sentir aceita 

DESISTI

E quando desisti 

EXISTI

Neste momento em catarse desisti de querer que me aceitasse e me aprovasse, sem perceber mudei de pista, entrei na mão certa.

Percebi estava na “contra mão” 

Queria de você o que só eu mesma poderia me dar.

Me aceitar me honrar em minha individualidade 

Desisti de querer de você algo que só eu poderia fazer 

Levou tempo 

Tempo suficiente para eu florescer 

Flor 🌷 e Ser

Com meu florescer e com o surgimento de eu aceitar minha identidade, larguei a expectativa de sua aceitação 

Me aceitei

Agradeço que não tenha feito, assim fluo na liberdade de ser o que vim pra ser 

Eu

Assim como estou andando, mudando sempre aprofundando e aprendendo a respirar no aprendizado 

E agora sua vulnerabilidade de vida e morte me convida a ir mais fundo.

Voltei à gestação e fui gerada mais uma vez em outra dimensão 

Óh minha Mãe, 

Óh  mãe divina, 

de carne e osso 

agradeço sua complacência e agradeço ter me ensinado o amor original e com isto abrir mão do amor idealizado 

Sobrevivo e vivo em honra a tudo que recebi e recebo de você e de toda rama ancestral feminina 

Honro a tristeza que viveram por não poderem ser quem eram e por este amor que me deu suporte 

Em honra a mim em primeiro lugar, a você e às mulheres que por alguma razão de suas escolhas necessárias, em suas existências não se expressaram, eu 

Vivo 

Me honro como estou, sempre transitório, porque em construção nada sou 

Estou !

E hoje estou grata, em minha oração nada me acorre a não ser 

Agradecer 

Agradar e Ser B3441CB6-3B5E-484D-B250-B5382439EE17

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: