Sempre tive muita sensibilidade em meu corpo, e levou tempo até eu começar dialogar e perceber que ele falava comigo e eu não sabia.

Aos 27 anos passei por uma “disfunção Hormonal” e tive um diagnóstico de hipotireoidismo, o médico me disse: você precisará tomar remédio a vida toda, eu havia tomado remédio por um mês, o no e do remédio era levoid.

Em algum lugar dentro de mim senti … não

Disse a ele eu não pretendo tomar este remédio, meu corpo tem como funcionar natural.

Ele me surpreendeu dizendo : tem pessoas que conseguem com meditação e a força mente, algumas curas.

Eu disse : eu sou esta pessoa.

A tal disfunção levou tempo atuando mas aos poucos ela se estabilizou. E depois de alguns anos meu ciclo menstrual regularizou.

Na mesma época fiz um mapa astral, e ela mencionou um planeta na casa das glândulas e que poderia causar alguma alteração, mas que estava saindo daquela casa, e realmente eu estava menstruando nos últimos três meses, e no período de três anos cheguei ficar sem menstruar nove meses, e muito esporadicamente menstruava, razão pela qual fui ver o médico.

Mas neste mapa astral (eu tinha +ou- 28 anos) comecei perceber que algo mais influenciava no meu corpo… o trânsito dos astros.

Tinha também uma interpretação equivocada que fiz, pensei : se a tireoide funciona menos, preciso fazer mais exercício e comer menos.

Resultado, fiquei a louca do exercício, fazia exercício excessivamente, o que me desequilibrava ainda mais e acreditei que tinha que comer cada vez menos, não conseguia, muito exigente e também por questões das minhas emoções mal digeridas…afinal o que não é ligado às emoções… quando me dei conta estava bulímica, numa época onde não não tinha internet nem literatura para apoio, fui desbravando meu caminho, na terapia, mas também era complexo porque sempre que eu entrava no tema “vômito” ela mudava o assunto, já era difícil falar, ainda era um tema silencioso pra mim, nem minhas irmãs sabiam.

Só eu sabia.

O tema foi administrado, até que veio meu divórcio, e algo acalmou. Mas retomou anos depois.

Quando cheguei no renascimento, (tinha uns 38 anos) um processo de autoconhecimento com várias formas de acessar as dores emocionais trancadas, incluindo catarses, meditações ativas, e acolhimento da raiva, um tema que era bem delicado pra mim, porque sentia bastante raiva, mas com uma formação evangélica onde aprendi que raiva não é bom, o que aumentava bem meu conflito interno.

Nesta época algum equilíbrio se deu em mim com as meditações ativas, e um pouco melhorou a compulsão pelo exercício, mas alimentação ainda tinha muita tensão, nunca tinha um relaxamento.

Muitas coisas aconteceram e o tema “harmonia no corpo” foi ficando ali, uma parte vista e conscientizada, outra adiada, inclusive porque algumas consciências não estavam maduras para ancorar.

Em 2013 na Índia, depois de estar em Munique num curso de Constelacao Familiar com o tema “mãe” identifiquei que algo estranho acontecia com meu corpo, não sabia bem o que era, mas sabia algo estava estranho!

Na volta observei que mesmo cuidando da alimentação e exercícios aumentou meu peso.

Um dia correndo no parque mas muito sem vontade, forçando minha barra, estava muito sem vontade de nada e me julgando muito por isto, perguntei pro meu corpo … afinal o que está acontecendo, o que você quer ?

Me veio uma voz interna … vai ver a tireoide !

Fui! Realmente estava “parada” precisei tomar o remédio.

Não gostei mas aceitei porque estava muito mal, aceitaria qualquer coisa para sair daquele estado.

Passado um tempo comecei fazer curso de thetaheling e Access e fui visualizando e energizando a cura da tão famosa, na minha vida, a TIREOIDE.

Fazia tudo que aprendia, mas em algum lugar mais internamente duvidava, afinal era senso comum …

ah ! Tireoide tem que tomar remédio a vida toda.

Mas …

pelo Sim pelo não … colocava minha intenção.

No fundo duvidava, mas sempre tive este perfil de não desistir sem tentar tudo.

Tive um equilíbrio no meu corpo e paralelamente fui buscando um estado mais amoroso comigo mesma, um caminho a ser percorrido, observado.

Sempre que me julgava e colocava um defeito fazia o exercício de me pedir desculpa, e focar numa qualidade.

Além disto fazia uma “jogada” com minha mente : Se não existisse ninguém para me comparar o que eu pensaria de mim e de meu corpo ?

Fui percebendo que pra mim SEM COMPARAÇÃO, eu gostava de mim.

Waw! Então minha exigência estava na prisão que me colocava na opinião das pessoas, o que também era uma criação na mente. Só pra lembrar a mente conta mentiras.

Final do ano passado cismei de testar, parar de tomar o remédio, depois de 5 dias estava um caco, resolvi voltar mas imediatamente.

Mas neste momento perguntei pro meu corpo : afinal corpo, o que aconteceu que senti de parar o remédio e deu este revertério ?

Ouvi uma voz interna, meu corpo falando : eu preciso de mais um tempo!

Aceitei, voltei o remédio e segui. Foi um momento intenso, final de vida da mamãe e muita coisa rearranjando não minha vida.

Nem pensei mais nisto.

Recente no início da pandemia fiz O Fundamento, curso do Access e conheci um recurso e também fiz, para aprender, na tireoide…

Na sequência início de julho, fui à consulta com médico e ele me informa que a tireoide estava equilibrada e não precisava mais do remédio.

Pasmei !

Me emocionei que transbordei.

E veio uma expansão de amor e gratidão pelo meu corpo, casa onde habito, agradecida pela parceria e pelo diálogo que estabelecemos, quando eu pergunto e me disponibilizo ele responde claramente.

E atualmente eu acredito e valido está comunicação, mesmo quando me olhavam desconfiando desta comunicação. E até compreendo afinal é um pouco atípico falar com o próprio corpo e não seguir o que a mente decreta.

Desde esta consulta quando lembro eu perguntando e meu corpo respondendo, e podendo confiar e vendo o resultado me gratifico e me emociono.

Claro muitas nuances de aprendizado e exercício na confiança pra acostumar este “músculo”de ouvir o corpo e respeitar, mas o resumo é :

PRECISAMOS CONFIAR E VALIDAR O CURADOR QUE NOS HABITA

Somos a parte principal da nossa cura e ela depende de mim, inclusive pra me conduzir aos profissionais que contribuirão para isto.

Sim precisamos de profissionais que atuarão em nossa cura, mas eu preciso antes de tudo identificar o que sinto e validar, mesmo quando nos duvidem.

Lembro uma vez ouvi uma palestra e ela dizia :

Quem sabe de mim sou eu ! Lembro que quando ouvi, achei muito arrogante, mas em algum lugar dentro de mim, sabia que isto era verdadeiro.

Continuei desbravando meus conceitos e preconceitos e segui mais um passo para exercer a liberdade de ser quem estou.

Estou feliz com tudo, e agora que vi esta foto lembrança do face lembrei desta parte da energia de cura que coloquei pra minha tireoide e mais uma vez me senti agradecida e preenchida, neste transbordamento resolvi compartilhar este processo que me acompanhou por mais de 30 anos.

Fui cuidada, me cuidei, intencionei, persisti, recebi

O famoso peça e receberás

Atenção ao que pede, porque receberás

🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🙏🏻🌷💓

#siari #constelaçãofamiliar #psicologia #escolhas #autoconhecimento #autorresponsabilidade #autoobservação #autocura #dentro #almacomcalma #pausa

#access #agradecimento #transformação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: